Enquetes
Casais
Entrevistas
Família
Filmes
Homem
Mulher
Noivos
Pais
Pastores
Sexualidade
Solteiros/Divorciados
Teses
Documentos
Clipping
Ore por nós
Doe suas milhas
Igreja Parceira
Amigo da Família
Voluntários
Realize em sua igreja
Programas de Rádio
Cursos para pastores e líderes
Contatos
Fale Conosco

CASAMENTO, ALIANÇA DE AMOR

Por: Luciano Motta


Voltando de um casamento recentemente, ainda com o gosto dos docinhos e salgadinhos, ainda com a alegria da festa, dos noivos, da cerimônia, fiquei a pensar no seguinte: "Como deve ser para um ministro a preparação de uma palavra aos noivos? O que dizer em um momento como esses?"
Há pastores e ministros diversos que "dão um sermão" nos noivos, no pior sentido desta expressão (graças a Deus não foi o caso do casamento que me levou a esta reflexão). Ora, o casal já está no altar, já entenderam que estão na vontade de Deus, são adultos, são servos de Deus. Não cabe ficar falando um monte de coisas, do que devem ou não devem fazer! O aconselhamento aos noivos deve ser antes da cerimônia.
Posso estar enganado, mas muitos pastores e ministros usam esta tática do sermão para aproveitarem a platéia composta de gente que precisa, sim, de correção. Mas uma cerimônia de casamento não é o melhor lugar para isso. Ah, a sabedoria... como precisamos dela!
Quando cheguei em casa, ainda refletindo nisso, comecei a pensar na criação do mundo, em como Deus uniu Adão e Eva, constituindo, assim, o casamento e a família. O pecado corrompeu o coração dos homens e os levou a tal distanciamento do Criador, a tal nível de maldade, que Deus quis destruí-los. Diz a Palavra que o Senhor se arrependeu de haver feito o homem sobre a terra e isso lhe pesou no coração (Gênesis 6.5-6).
Num estalo, percebi como isso tem a ver com a união entre homem e mulher. O casamento é o princípio, o gênesis do casal. A família recém formada ainda não foi tocada pelas circunstâncias da vida a dois. Com o tempo, ocorrem discussões, desentendimentos, atritos. Nada anormal, afinal, somos falhos, imperfeitos, carentes de Deus. Fora do comum é um casamento onde os momentos ruins são mais constantes do que os momentos bons.
Portanto, antes que chegue a este ponto, ou mesmo que já exista esta tensão no relacionamento, vem o pesar no coração e um pensamento arrependido: "Eu não deveria ter me casado!" Bem semelhante ao que Deus sentiu sobre sua criação.
Em outro momento, vemos novamente o Senhor prestes a destruir o Seu povo, por estar se inclinando em adoração a um bezerro de ouro (Ex 32.7-10). Como este, existem muitos outros episódios na história em que o homem esteve em grandes trevas. Vivemos hoje em um tempo de grande pecado na sociedade.
Então, o que impediu (e impede) Deus de destruir o ser humano? Da mesma forma, o que pode impedir um casamento de se acabar?
Antes de responder, uma observação: "Deus se arrepender" não é muito fácil para o nosso entendimento. Aliás, este é um sentimento bem humano, não cogitado por nós como possível na esfera divina. A própria Bíblia diz que Deus não é filho do homem para que se arrependa (Nm 23.19). Como pode ser isso?
Creio que, em um nível diferente do nosso, o Pai tem os seus sentimentos "abalados" quando algo está acontecendo com seus filhos. Diz a Palavra que quem toca em nós toca na menina dos olhos de Deus (Zc 2.8). Não importa o que aconteça, seja bom ou ruim, sejam circunstâncias exteriores ou interiores, Deus se importa, e muito, com o que estamos passando, a ponto de levá-lo a se regozijar ou a se irar. Isto é fato comprovado nas Escrituras. Podemos ver este cuidado de Deus em nosso dia a dia.
O Pai se importa porque ama. É por causa do Seu grande amor que não somos consumidos. Suas misericórdias não têm fim (Lm 3.22). É por isso que ainda existimos sobre a terra. É por isso que um casamento permanece até o fim da vida.
No meio de toda a maldade daqueles dias antes do dilúvio, Deus viu um homem justo: Noé (Gn 6.8). Deus ouviu a intercessão de Moisés por Israel e não consumiu o povo (Ex 32.11-14). Em cada momento de distanciamento da humanidade, homens justos fizeram a diferença. Com estes, Deus fez aliança. É como se Ele dissesse: "O Meu amor por vocês é grande demais. Não posso destruir homens e mulheres que andam na Minha presença e que, apesar de suas limitações, buscam viver à Minha imagem e semelhança, conforme os criei".
É este mesmo amor que leva um homem e uma mulher à decisão de passarem o resto da vida juntos. Este amor é a base que impede a queda e a destruição do casamento nos tempos de crise e dificuldade.
Há uma declaração tremenda que o Senhor fez, que demonstra o quanto Ele ama Seu povo: "Quando Israel era menino, Eu o amei, e do Egito chamei a meu filho. Mas quanto mais Eu os chamava, tanto mais se iam da minha face... O meu povo é inclinado a desviar-se de Mim... Como te deixaria, ó Efraim? Como te entregaria, ó Israel? Está comovido em Mim o Meu coração, todas as Minhas compaixões à uma se acendem. Não executarei o furor da Minha ira" (Os 11.1-2,7-9).
Estas palavras foram ditas pelo Senhor, contudo, mais parecem palavras de alguém em crise, que já fez de tudo, que está a ponto de desistir de seu relacionamento, mas que ainda reluta devido ao grande amor que bate no seu peito.
Este amor, porém, não impede a justiça. Mesmo depois de dizer estas palavras através do profeta Oséias, Deus não impediu que o povo fosse levado cativo à Babilônia. Só que lá no cativeiro, homens justos se levantaram, intercederam pelo povo e Deus ouviu suas orações. Mais tarde, foram trazidos de volta à terra, debaixo de nova aliança - é o amor em ação novamente.
Jesus é o símbolo da Nova Aliança (1 Co 11.25) deste tempo da graça em que vivemos. Nossas dívidas (pecados) de hoje são pagas pelo sacrifício de Cristo na cruz. Nossas vidas são limpas pelo sangue do Cordeiro. O poder do amor vence o poder do pecado!
O casamento é a aliança entre um homem e uma mulher. Os momentos ruins são superados pelo poder do amor de Deus na vida do casal. Então, como Deus renovou Sua aliança com os homens, porque ouviu as orações e viu neles arrependimento e justiça, assim a aliança do casamento é renovada. O diálogo aproxima, o perdão une e o amor consolida.
Quando vierem aqueles momentos ruins, ao invés de se deixar levar pelo pensamento "Eu não deveria ter me casado!", lembre-se que o amor de Deus está em você e só por meio dele será possível trilhar o caminho da unidade e da alegria. Lembre-se que este amor "tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta" (1 Co 13.7). Lembre-se de fazer a sua parte, de agir com justiça em primeiro lugar consigo mesmo antes de requerer qualquer coisa do outro. Renove a aliança que você fez com seu amado(a) diante de Deus e viva um novo tempo, um novo Gênesis em seu casamento.

Voltar Enviar Imprimir

Newsletter

 
 

 

Copyright©2014 Click Família - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Grafus Comunicação